Projeto Instrumentação Geográfica, Educação Espacial e Dinâmica Territorial

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que é a pesquisa e como é feita?

 

O Projeto Instrumentação Geográfica, Educação Espacial e Dinâmica Territorial tem duas linhas básicas de atividade, caracterizadas brevemente a seguir:

1. Educação Espacial (Cartográfica \ Geográfica)

A Geografia continua sendo a área do conhecimento que tem o compromisso de tornar o mundo e suas dinâmicas compreensíveis para a sociedade, dar explicações para as transformações territoriais e apontar soluções para uma melhor organização do espaço. É portanto, uma disciplina fundamental na formação da cidadania da população brasileira, que apresenta uma heterogeneidade singular na sua composição étnica, socioeconômica e na distribuição espacial. No nosso país, onde a questão da cidadania é geralmente limitada e mutilada, a situação do letramento geográfico, particularmente da educação espacial é emblemática e emergencial. Importante lembrar que a Escola na sociedade ainda é a segunda instituição responsável pelas várias relações sociais no universo das crianças e adolescentes, sem perder de vista a importância da família. Neste sentido, a cultura de espaço, ou seja, os conhecimentos cartográficos fundamentais que devem ser assimilados na idade escolar, que tem na sua essência possibilitar o estímulo às habilidades vísuais-espaciais e um entendimento e convívio mais próximo com a linguagem gráfica dos mapas são imprescindíveis para compor o conjunto de referências básicas que irão participar da formação das identidades de sujeitos sociais. Se tratando de um país como o Brasil, de dimensões continentais, plurirracial, com extensas paisagens geográficas, multicultural, com uma estrutura política complexa e diferentes níveis de transfomação e alteração territorial, a questão da educação cartográfica assume um papel estrutural e estratégico no planejamento e nas práticas educativas da nação. Tomando como premissa que só há ensino quando ocorre a intenção de aprendizagem, as nossas publicações se propõem a instrumentalizar o educador e a escola, principalmente auxiliando nas possibilidades de desenvolvimento de algumas temáticas como: orientação no território, localização geográfica, conceitos de escala, resolução e seletividade da informação espacial com produtos de Sensoriamento Remoto, possibilidades básicas de sistemas simbólicos, exemplos de projeções cartográficas e construção de visões do espaço do micro para a o macro e vice-versa. Não podemos perder de vista que um mapa não é o território, mas que nos produtos da cartografia estão as melhores possibilidades de representação e leitura da história do espaço e das referências territoriais dos seres humanos. Neste sentido, o aprofundamento da discussão da precariedade da educação espacial e dos seus desdobramentos na sociedade brasileira e em particular, no sistema educacional precisa ser realizado.

2. Instrumentação Geográfica e Dinâmica Territorial - A expansão das periferias urbanas e o consequente “inchaço” dos espaços é sem dúvida, um dos processos mais evidentes na maioria das cidades de médio e grande porte, tomando dimensões variadas a partir de mecanismos econômicos, políticos e sociais que operam no mesmo. Por outro lado, as demandas para a compreensão e resolução das complexas questões da dinâmica da sociedade são crescentes e a cartografia, o sensoriamento remoto, o monitoramento espacial e a modelagem gráfica constituem instrumentos fundamentais para responder com propriedade e informar com mais seriedade: o que aconteceu, o que está acontecendo e o que pode acontecer com o território. Tomando como referência que Brasília é o território de “todos os brasileiros” e portanto, uma síntese do Brasil. As nossas pesquisas têm monitorado, representado e interpretado as suas estruturas espaciais, como um exemplo significativo da dinâmica territorial brasileira. A história espacial da evolução do conjunto urbano da capital do país, o desenvolvimento dos seus vetores de crescimento, as formas e os momentos da expansão da sua mancha urbana até o momento atual e a projeção para o futuro próximo, os distintos padrões de uso do território, assim como, os espaços com restrições fisiográficas para a ocupação urbana são eixos temáticos básicos investigados e representados nas linguagens, analógica e digital. Esse Projeto sintetiza quase mais de duas décadas de pesquisas referentes à dinâmica territorial no Distrito Federal e na Região do Entorno do DF, constituindo uma referência básica para educação geográfica e urbanística, planejamento e gestão do território.

 

Pesquisador Responsável

Prof. Dr. Rafael Sanzio Araújo dos Anjos

Instituição que acolhe o Projeto neste momento

Universidade de Brasília – Centro de Cartografia Aplicada e Informação Geográfica (UnB-CIGA)

Fonte Financiadora

 

Centro de Cartografia Aplicada e Informação Geográfica (CIGA)

 

Petróleo Brasileiro S. A. (Petrobras)

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Caixa Econômica Federal (CEF)

 

Sugestões de leitura

 

ANJOS, R. S. A. Crescimento Urbano Horizontal do Distrito Federal. Revista Humanidades, Brasília, v. 8, n. 3. Editora Universidade de Brasília, p. 407-415, 1992.

______________ Estruturas básicas da dinâmica territorial no DF. In.: PAVIANI, A ; GOUVÊA, L.A. Brasília: controvérsias ambientais. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2003, p. 199-215.

______________ Expansão urbana no Distrito Federal e Entorno Imediato (1964-1990): Monitoramento por meio de dados de sensoriamento remoto. Brasília, 1991. 136 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)  - Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília.

______________ Modelagem dos processos formadores da dinâmica espacial urbana no Distrito Federal do Brasil, São Paulo, 1995. 220 f. Tese (Doutorado em Informações Espaciais) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

______________ Projeto Geografia do Distrito Federal: cartografia para o planejamento do território e educação espacial. Brasília: Mapas Editora & Consultoria, 2005.

______________ Vetores de crescimento urbano do Distrito Federal: suas tendências atuais e os fatores espaciais intervenientes. In.: WORKSHOP. Processos formadores e o espaço urbano do Distrito Federal. Universidade de Brasília/NEUR-CEAM/Depto. de Geografia-IH/Depto. de Urbanismo – IA: Brasília, 1992. 16p. (Mimeografado).

______________ Dinâmica territorial: monitoramento – cartografia – modelagem. Brasília: Mapas Editora & Consultoria, 2008.

______________ Monitoramento do crescimento e vetores de expansão urbana de Brasília. In.: PAVIANI, A; BARRETO, F.; FERREIRA, I.; CIDADE, L.; JATOBÁ, S. Brasília 50 Anos: Da Capital a Metrópole. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2011, p.369-396.